Saltar para menu de navegação principal Saltar para conteúdo principal Saltar para rodapé do site

Rutura psicótica e a vivência analítica

Resumo

A autora parte de pressupostos essenciais acerca do processo de simbolização e da sua falha para abordar a forma como os elementos não nomeados e não representados que residem na parte psicótica da mente do paciente mantêm uma área da mente inacessível ao processo analítico, potenciando assim a eclosão de uma rutura psíquica grave. Tais ruturas são, por vezes, tão surpreendentes quanto inesperadas e colocam dificuldades incontornáveis na vivência e manejo do processo analítico. Sublinha-se então a importância do setting interno do analista enquanto película contentora suficientemente capaz de transformar e integrar os diferentes fenómenos que ocorrem na sessão analítica.

Palavras-chave

Rutura psicótica, Vivência analítica, Falha na simbolização

PDF

Biografia Autor

Sandra Oliveira

PHD. Psicanalista. Membro Associado da Sociedade Portuguesa de Psicanálise/IPA.


Referências

  1. Bion, W. (1957), Differentiation of the psychotic from the non-psychotic personalities. International Journal of Psychoanalysis, 38: 266-275.
  2. Bion, W. (1962). A theory of thinking. International Journal of Psychoanalysis, 43: 306-310.
  3. Bion, W. (1963;(1966)). Elementos de psicoanálisis. Buenos Aires: Paidós.
  4. Cassorla, R. (1999). Psicanálise e surto psicótico: Considerações sobre aspectos técnicos. Comunicação apresentada no Congresso Brasileiro de Psicanálise, Rio de Janeiro.
  5. Cassorla, R. (2018). In search of Symbolizations: the analyst task of dreaming, in: H. B. Levine, G. S. Reed, & D. Scarfone (Eds.), Unrepresented States and the Construction of Meaning – Clinical and Theoretical Contributions (pp. 202 – 219). London: Karnac.
  6. De Masi, F. (2006). Vulnerability to psychosis: A psychoanalytic study of the nature and therapy of the psychotic state. London: Karnac.
  7. De Masi, F. (2015). Working with difficult patients – From neurosis to psychosis. London: Karnac.
  8. Luz, A. B. (2009). Truth as a way of developing and preserving the space for thinking in the minds of the patient and the analyst. International Journal of Psychoanalysis, 90, 2: 291-310.
  9. Ogden, T.H. (2008). Bion’s four principles of mental functioning. Fort Da, 14:11-35
  10. Segal, H. (1957). Notes on symbol formation. International Journal of Psychoanalysis, 38: 391-397.
  11. Segal, H. (1978). On symbolism. International Journal of Psychoanalysis, 59: 315-319.
  12. Steiner, J. (2011). Seeing and being seen. Emerging from a Psychic Retreat. London: Routledge.
  13. Winnicott, D. (1949). Hate in the countertransference. International Journal of Psychoanalysis, 30: 69-74.
  14. Zwettler-Otte, S. (2014). A mosaic of ruptures. The EPF Bulletin, 68: 105.